Talvez o problema não seja seu emprego, e sim você. Vamos resolver isso?

Por Alan Henry em 23/08/2012 na Coluna Jezebel

É inevitável. Depois de um certo tempo no mesmo emprego, vai ter um dia que vai ser um saco. Aí, eventualmente, outro também. E mais outro. E de repente o emprego que você amava começa a ficar parecido com um, bem, emprego. Mas não precisa ser assim.

O Problema

Todos nós já lidamos com chefes ruins ou salários abaixo do esperado, mas isso não quer dizer que a cura do seus males está em pedir demissão e encontrar outro emprego. Todo emprego continua sendo um emprego, e todos eles possuem um lado ruim. Isso se chama “trabalho” por um motivo, e mesmo se você tem sorte e faz o que gosta, ainda assim haverá dias ruins. Você vai ter que lidar com gerentes mandões, colegas de trabalho sabichões, e, algumas vezes, trabalho sacal. Assim assim, muitos de nós pulamos de emprego em emprego até descobrir que, inevitavelmente, um dia esse trabalho vai se tornar chato, e aí vamos procurar pelo próximo.

Então como enfrentar esse sentimento amedrontador de que seu emprego um dia vai se tornar um saco? Claro, algumas circunstâncias justificam pedir demissão. Se está realmente na hora de pedir as contas, faça isso. Este post é para o resto de nós, sofredores. Aqui, vamos estudar passo-a-passo algumas dicas para se manter focado, animado e alegre com seu trabalho — especialmente se esse trabalho foi o que te atraiu para esta vaga.

Primeiro Passo: Autoavaliação

primeira e mais poderosa coisa que você pode fazer de imediato é mudar sua forma de pensar. Comece compreendendo que você tem a palavra final sobre como se sente. Eleanor Roosevelt uma vez disse, “Ninguém tem o direito de te fazer sentir inferior sem o seu consentimento”, e essa premissa se aplica aqui: Você pode não conseguir parar as chateações de trabalho, mas você pode fazer com que elas não estraguem seu dia. Veja como.

  •  Evite fofoca e conversa de cafezinho. Nós jádiscutimos como a mente coletiva pode te influenciar, mas em ambientes de trabalho ela se torna ainda mais verdadeira. Se todo mundo no seu departamento acha que algo é chato, você está propenso a se sentir do mesmo jeito, ainda que não tenha motivos reais. Mantenha-se objetivo quando conversar com colegas de trabalho sobre os problemas e políticas da empresa, e não deixe a fofoca te atingir. Foque no trabalho, e faça o melhor que puder.
  •  Resista à negatividade. Evitar fofoca é um bom primeiro passo, mas você pode tambémescolher ser parte da solução. Olhe para o lado positivo e leve essa discussão para os colegas. Faça uma lista de aspectos positivos do seu emprego e mantenha como objetivo diário. Seja trabalhar em algo que goste, ou o fato de seu emprego oferecer treinamento grátis, ou até o cafezinho da Dona Maria. O que te fizer feliz no emprego, atenha-se a esse fator positivo diariamente.
  • Procure por mais regalias. O que seu trabalho te oferece de benefício e do que você realmente faz uso? Descubra-osuse-os o quanto puder. Seja um horário flexível ou um ambiente casual de trabalho, transforme seu emprego em um lugar que você frequenta diariamente e que contribui para o seu bem-estar não só com seu salário
  • Aprenda a lidar. O estresse sempre vai dar um jeito de te encontrar — nunca ouvi falar de um emprego que não tivesse estresse. O importante é saber como isso pode te afetar, e o que fazer para mudar. Descubra um hobby, medite, ajude alguém no trabalho — o que for. Quando você desenvolve esse mecanismos de solução, você fica menos inclinado a julgar seu trabalho como um todo. Faça isso de forma agressiva: quando alguma coisa te incomodar, imediatamente pense em como você pode desviar o estresse, mesmo se você não consiga oferecer uma solução imediata ao problema.

Segundo Passo: Ponha as coisas em perspectiva: algumas coisas são chatas, mas elas fazem parte do seu trabalho?

Quando seu emprego te deprime, uma boa solução é colocar as coisas em perspectiva. Claro, existem coisas sobre seu trabalho que te deixam péssimo, mas todo trabalho VAI ter algum elemento fora do ideal. É importante separar essas coisas do que te deixa contente. Todo trabalho vai ter alguma tarefa sacal que você escolheria não fazer, colegas que te mandam e-mails sarcásticos, e pessoas esquentando peixe no microondas da copa.

É importante se perguntar: Essas coisas irritantes fazem parte do meu trabalho, são relacionadas ao meu trabalho ou só rodeiam meu trabalho?

Se elas de fato fizerem parte do seu trabalho, converse com seu chefe sobre o que anda te incomodando. Se você se sente miserável trabalhando preso a uma plataforma que dá pau toda semana, seu chefe vai concordar que é hora de mudá-la — principalmente se seu trabalho inclui dar suporte a esse sistema. Se essas encheções só te rodeiam, você deve procurar soluções para essas coisas, também, mas tenha em mente que elas não representam o seu emprego. Se você gosta do que faz, não deixe as pequenezas te atrapalharem. Foque no trabalho e lide com elas paralelamente.

Terceiro Passo: Trabalhe para viver, não viva para trabalhar

Muitos de nós tendemos a odiar empregos que já gostamos um dia porque ele nunca chega ao fim. Pode ser difícil, mas lembre-se Você trabalha para viver, você não vive para trabalhar. Defenda e aproveite sua vida pessoal, suas férias, seu tempo com a família e amigos, até mesmo sua licença saúde. Aqui vão algumas coisas para se lembrar:

  •  Tire suas férias. Nós já te avisamos sobre não usar suas férias, mas muitos de nós fazemos o mesmo. Sair de férias é uma das melhores formas de recarregar baterias, e, no mais, você trabalhou por essas horas. Você as merece.
  • Quando ficar doente, foque em melhorar. Em um mundo onde podemos trabalhar de casa e ficamos conectados via celular, é importante resistir à urgência de “trabalhar de casa” quando você está realmente doente. Se estiver doente, seu trabalho será melhorar, e não fazer trabalho meia-boca, mais-ou-menos com febre.
  • Quando estiver no trabalho, seja produtivo. Esta é importante, porque muito constantemente a gente trabalha a mais porque sente que não está sendo tão produtivo quanto devia. Encontre um método de produtividade que funcione para você e atenha-se a ele. Use seu tempo para revisar seu trabalho, assim você não tem surpresas e sabe bem o que e por que está fazendo. Seja proativo, não deixe seu trabalho se transformar nessa coisa que acontece cinco dias da semana.
  • Reconheça quando parar. Se aquele sentimento estranho começa a te tomar, você pode estar sofrendo de estafa ou trabalhando demais. Identifique a sensação, compreenda-a e peça um tempo antes de explodir.
  • Faça pequenas mudanças. Pequenas mudanças no ambiente de trabalho podem fazer grandes diferenças, às vezes até mais que as maiores. Um computador mais rápido, algumas plantas, um colega para almoçar junto, uma baia melhor — vá atrás dessas coisas se puder. Elas podem não se referir às suas irritaçòes, mas ajudam bastante a melhorar seu humor, a relaxar, desestressar e focar no positivo.
  • Traga suas coisas favoritas para o trabalho. Um jeito bom de recarregar sua paixão pelo trabalho é descobrir um jeito de praticar um hobby ou uma paixão dentro do escritório. Nosso colaborador Adam Dachisdescobriu um jeito (ver item 3) no seu emprego antigo de trazer sua paixão por produção de vídeo para dentro do emprego de suporte ao cliente.
  • Vá para casa! Faça disso um hábito diário, sempre na mesma hora. Nem que você tenha que marcar algum compromisso depois do trabalho para te forçar a ir embora, faça isso. Você precisa delimitar até onde vai o trabalho e onde começam as outras coisas que você faz, para se manter são.

(Opcional) Quarto Passo: Desista e comece de novo sozinho

Se não há solução para os problemas que você vem enfrentando — nem truques, nem férias resolvem — talvez seja hora de tentar algo mais drástico. Considere fazer trabalhos de freelancerem tempo integral ou começar seu próprio negócio. É preciso ter coragem, suporte financeiro, habilidade e muita sorte pra se manter sozinho, mas se todo emprego que você conseguir for um saco, você nunca vai ser feliz até trabalhar por si próprio, com algo que você realmente gosta.

Quinto Passo: Cuide de si mesmo

Não subestime a importância de cuidar de si mesmo. É fácil achar que todo emprego é chato se o problema está na verdade em você. Por exemplo, se você é clinicamente deprimido e mesmo as coisas que te divertem andam perdendo a graça, procure ajuda profissional, e não necessariamante um novo emprego. Se você não está dormindo direito, ou sua dieta precisa melhorar, toda a sua atitude, no trabalho ou em casa, vai sofrer por isso. Exercícios, sono, vida social, e cuidar do seu bem estar físico e mental em geral ajudam a tornar seu trabalho no mínimo suportável.

Tenha certeza de que se o seu trabalho é realmente uma porcaria, você vai resolver isso de uma vez por todas. Parte de se cuidar é enfrentar seus problemas de frente quando seu emprego começa a te desanimar. Se você perceber que o que te deprime é realmente o trabalho, ou se você não está fazendo algo que gosta, ou se essas irritações ultrapassam os pontos positivos, aí talvez seja hora de cair fora — leve consigo suas lições (e nossas dicas) ao invés de recomeçar esse ciclo em um novo local.

Deixe uma resposta